30 de dez de 2010

A vida,
ladra de tudo que temos,

me consome com seu paradigmas e regras.

Já não consigo viver,
apenas luto para não morrer.

Mas o tempo é quem consome o produto,
nossa paz, nossa tristeza e felicidade,

é ele quem nos toma tudo quem mata de saudade.

E para ele nada tenho, apenas o meu presente,
passado e futuro ausentes,

apenas minhas lembranças de quando havia esperança de viver sem tempo e somente.

"E por falar em tempo..."
O tempo anda me comendo por trás e sem pedir licença."